sexta-feira, 13 de março de 2015

[Resenha] Mago Espinho de Prata - Raymond E. Feist

Skoob
Título: Mago – Espinho de Prata.

Título original: Silverthorn.
Autor: Raymond E. Feist.
Editora: Saída de Emergência.
Nº de páginas: 416.
Sinopse: Durante quase um ano, a paz reinou nas terras encantadas de Midkemia. Porém, novos desafios aguardam Arutha, o Príncipe de Krondor, quando Jimmy, a Mão - o mais jovem larápio do Zombadores, a Guilda dos Ladrões - surpreende um sinistro Falcão Noturno prestes a assassiná-lo. Que poder maléfico fez com que os mortos se levantassem para combater em nome da Guilda da Morte? E que magia poderosa poderá derrotá-los? Mas primeiro o Príncipe Arutha, na companhia de um mercenário, um bardo e um jovem ladrão, terá que fazer a viagem mais perigosa da sua vida, em busca de um antídoto para o veneno que está prestes a matar a bela Princesa no dia do seu próprio casamento.




Nota Pessoal:

Terceiro livro d’a saga do mago, Espinho de Prata consegue ser tão magistral quanto os dois que o antecedem – Mago Aprendiz e Mago Mestre. Com uma nova história, Raymond desfocou personagens antigos, colocou como principais outros já conhecidos pelos leitores da série e inseriu alguns tão bons quanto os que já a significavam – porque não basta ter apenas uma boa trama; personagens são importantes. Antes que você desista de ler esse livro ou esta resenha, fique avisado que pode seguir em frente sem medo de ser feliz – ou melhor, sem medo de não ter lido os dois livros anteriores – porque apesar de contar com personagens antigos, esse terceiro livro começa um novo ciclo em Midkemia.

Calma, eu vou explicar! É que essa série conta um número gigantesco de livros, mas não é como se fosse uma única história. São vários livros divididos em ciclos – Mago Aprendiz inicia um ciclo que é concluído em Mago Mestre. Ou seja, Espinho de Prata já é outro ciclo que se encerrará no próximo volume, As Trevas de Sethanon. Explicado! Agora você já pode continuar a ler a resenha.

Midkemia está vivendo um período de paz. Depois de uma terrível guerra contra seres de outro mundo, o Reino passa por uma época onde a tranquilidade parece fazer morada nas casas e ruas. Porém, essa calmaria está prestes a ruir. Um plano que ultrapassa as barreiras da Magia conhecida em Midkemia está sendo construído. Um mal desconhecido pelos mais poderosos magos do Reino se levanta.

No centro de tudo isso está Arutha. O Príncipe do Reino ganha o fardo de protagonizar essa nova aventura de Midkemia. É ele que, prestes a casar com a Princesa Anita, vê sua amada sendo atacada no altar por um misterioso veneno – o Espinho de Prata. Só que o problema de tudo isso é que a princesa é envenenada por engano. Ao cair num sono profundo e mortífero, sono este destinado a Arutha, sua vida se transforma numa corrida contra o tempo.

É Arutha, que ao lado de Jimmy – um jovem e reconhecido ladrão já conhecido por quem leu os livros anteriores – de Laurie, Martin e outros guerreiros que encontra pelo caminho, partirá pelos caminhos sombrios em busca de um antídoto para o veneno que está prestes a matar a Princesa.

Só que nada é tão simples quanto pareceu a princípio. É nesta jornada que se faz conhecer o poder maléfico que está por trás desse atentado ao Príncipe. Uma antiga profecia clama a morte do Príncipe para que o mal se erga. E como tal entidade é tão desconhecida quanto se poderia, até entre os mais poderosos magos do Reino – incluindo Pug, também já velho conhecido, o mais poderoso mago de Midkemia – nada se pode fazer para detê-lo. Os combatentes do mal não podem ser feridos por armas humanas, e se o forem voltam a vida sem motivo aparente.

Num lapso de perspicácia, Pug descobre que para entender aquele mal é preciso busca-lo em sua origem. E qual é a sua origem? O mundo de Kelewan – o que, anos atrás, travou uma grande guerra com Midkemia. É nesse território que Pug descobrirá não apenas a origem do mal que ameaça seu mundo de origem, mas fatos que comprometem, mais do que nunca, o destino dos dois mundos.

Raymond E. Feist superou todas as minhas expectativas nesse livro. É fato que ele já figurava entre as minhas melhores leituras, mas com Mago Espinho de Prata conseguiu a proeza de escrever algo melhor e mais grandioso do que o primeiro ciclo. Sinceramente? Não esperava que fosse conseguir. Para mim, os dois volumes anteriores eram insuperáveis – principalmente o segundo -, mas não foi o que aconteceu. Grande parte da minha falta de expectativas tão altas para esse livro é que o foco não está nos personagens que figuram como principal nos livros anteriores. Nosso velho companheiro Pug não é o centro das atenções e a responsabilidade da vez recaí sobre Arutha, personagem que eu já considerava bom, mas duvidava de sua capacidade de ter uma história tendo ele como o grande líder.

Ledo engano. Arutha ganhou minha simpatia e respeito logo nas primeiras páginas. Ele não é nenhum herói poderoso; pelo contrário, é um guerreiro forte, humano e desprovido da habitual magia que cercava o nosso antigo protagonista. Por isso fiquei surpreso com o rumo dado pelo Raymond à história. Ela ganha ares mais humanos sem perder a antiga magia – que continua forte e tão importante.

Jimmy é outro personagem que surpreende. Quem o olha - ou o lê – não imagina o quanto ele será definidor no rumo dessa aventura. O que lhe falta na idade, lhe sobra na grandeza de amizade, lealdade e esperteza.

Dos cenários nada pode ser mais surpreendente. Raymond conduz o leitor pelos mais incríveis e encantadores que vão desde as simples ruas das cidades do Reino até o Reino dos Elfos – este último um deleite para a imaginação dos leitores. A narrativa do autor acontece quase que como por magia: os cenários são tão nítidos que eu tive que me esforçar para deixá-los quando precisava parar de ler.

Porém, todo esse meu encanto pela obra veio acompanhado de uma pequena decepção. A obra é incrível, mas faltou o autor desapegar dos personagens. Explicando melhor: faltou ele temperar as incríveis batalhas com mortes de personagens 'do bem'. Não me entendam mal, mas fica meio difícil presencial batalhas tão grandiosas e só ver mortes aos montes do lado mau. Claro que o exército de Arutha perde vários homens, mas nenhum que se faça conhecer pelos leitores. As mortes do ‘lado do bem’ são sempre aleatórias ou sem importância. Talvez o autor tenha resguardado seus personagens para feri-los mais letalmente no próximo volume, mas, concordemos que as perdas são mais críveis quando vindas de ambos os lados.

Agora sim, querem uma dica do próximo destino? Embarquem rumo a Midkemia e vivam essa aventura. Garanto que valerá a pena.

Boa Leitura!

Comente com o Facebook:

3 comentários:

  1. Olá,
    Eu sempre leio algo sobre esse livro, mas ele nunca me interessa de fato, afinal esse não é muito meu estilo de leitura. Mas gostei da resenha.
    Beijos.
    Memórias de Leitura - memorias-de-leitura.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Li os dois primeiros e depois dessa resenha, fico mais ansioso para ler o terceiro (que, já encomendei no Submarino). Realmente, me surpreendeu, sou fã de Tolkien, e me deleitei lendo os primeiros...

    ResponderExcluir
  3. Amei o post! *-* Como eu disse na minha resenha, eu não tinha gostado mt dos dois primeiros volumes, mas ADOREI esse! Achei bem melhor que os dois volumes anteriores e aprendi a gostar muito desse mundo e dos personagens! :D

    Abraços.
    Alex, do Um Bookaholic. <3

    umbookaholic.com | Canal | @umbookaholic: Twitter | Instagram

    ResponderExcluir